Terça, 23 de Julho de 2024
75998557038
Alagoinhas ALAGOINHAS

Feira Arte Viva movimenta Mercado do Artesão até 8 de junho

Cerca de 17 artesãos que atuam no mercado estão expondo seus produtos.

08/06/2024 16h50 Atualizada há 1 mês
Por: Redação Fonte: Prefeitura de Alagoinhas - BA
Foto: Reprodução/Prefeitura de Alagoinhas - BA
Foto: Reprodução/Prefeitura de Alagoinhas - BA

É no ritmo do arrasta-pé e de apresentações de quadrilhas juninas que acontece a primeira edição da Arte Viva – Feira de artesanato e plantas que começou ontem, 6, e vai até sábado, dia 8, no Mercado de Artesão. A feira, que vai das 8 às 17h, tem apoio da Prefeitura por meio da Secretaria de Cultura, Esporte e Turismo (SECET), por intermédio da Lei Paulo Gustavo.

Cerca de 17 artesãos que atuam no mercado estão expondo seus produtos. Os itens juninos ganham destaque por conta da época do ano, conta Maria Helena, coordenadora da comissão da organização do evento. “Somos um espaço cultural e já temos uma tradição de trabalhar com artesanato junino”, diz ela.

A feira também apresenta outros tipos de artesanatos como crochês, arte sacra, telas com estamparia da cidade e cestaria.

Para a artesã Inalva de Jesus, o evento está sendo maravilhoso. “Ele nos ajuda a divulgar ainda mais o nosso trabalho e também fortalece o nome do Mercado”.

”Alagoinhas recebeu em torno de R$ 1,3 milhão da lei Paulo Gustavo, sendo a maior parte destinada ao audiovisual. Nós distribuímos as categorias e cerca de R$ 20 mil foram disponibilizados para a realização da Feira Arte Viva, beneficiando os artesões do Mercado de Artesão de Alagoinhas”, explica conclui Erivaldo Souza, diretor de Turismo da Prefeitura de Alagoinhas.

Lei Paulo Gustavo

Aprovada pela Câmara dos Deputados, a lei Paulo Gustavo, que homenageia o ator que morreu em 2021 vítima da covid-19, visa a socorrer os artistas e os fazedores de cultura que foram vítimas da pandemia. “Essa lei foi pensada para auxiliar e socorrer o setor do audiovisual e junto com o audiovisual foi também agregado um valor do fundo de cultura para também socorrer o artista das outras áreas”, completa Erivaldo